Bolsonaro diz que empregou esposa, cunhada e sogro porque é “homem de família”

Jair Bolsonaro, candidato a presidência do Brasil em 2018, empregou por mais um ano a atual esposa, Michelle, em seu gabinete na Câmara dos Deputados. Ela ainda foi promovida e teve seu salário quase triplicado em relação à atividade anterior, quando atuava na liderança do PP, partido de Bolsonaro.

Bolsonaro justificou: “sou um homem de família”.

Segundo informações da Folha de S.Paulo, a mulher ingressou no gabinete pessoal do político em dia 18 de setembro de 2007. Eles se casaram de papel passado após dois meses. Desde então, Michelle ficou um ano empregada pelo marido.

A exoneração só ocorreu em novembro de 2008, dois meses depois de o STF (Supremo Tribunal Federal) consolidar o entendimento de que a Constituição de 1988 não permitia a prática do nepotismo na administração pública.

Ele também já empregou a e-mulher e dois parentes dela em seu gabinete na Câmara em cargos públicos.

O atual deputado federal teria dado aval para Ana Cristina Valle, sua esposa na época e mãe de Jair Renan, seu quarto filho, para trabalhar no local. Além dela, a irmã, Andrea, e o pai, José Cândido Procópio, também ocuparam vagas no local. As informações são do jornal O Globo.

Atualmente, Ana Cristina e José Cândido não trabalham mais no gabinete “familiar”, digamos assim, mas Andrea continua na vida política, só que foi trabalhar com o deputado estadual Flávio Bolsonaro, filho do presidenciável.

Histórico

Durante uma sessão de abril de 2005 na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, Bolsonaro alegou publicamente a contratação de parentes na política.

“Já tive um filho empregado nesta casa e não nego isso. É um garoto que atualmente está concluindo a Federal do Rio de Janeiro, uma faculdade, fala inglês fluentemente, é um excelente garoto. Agora, se ele fosse um imbecil, logicamente estaria preocupado com o nepotismo, ou se minha esposa fosse uma jumenta eu estaria preocupado com nepotismo também”, justificou o parlamentar na ocasião.

O que diz Bolsonaro?

Em declaração enviada ao jorna O Globo, Jair Bolsonaro diz que sempre agiu dentro da lei.

Ele citou uma súmula editada pelo STF, em 2008, que normatizou a contratação de parentes e reconheceu que sugeriu o nome da ex-mulher, Ana Cristina Valle, para trabalhar como assessora do vereador Carlos Bolsonaro, seu filho na Câmara Municipal do Rio.

Por fim, ainda segundo a notícia, os casos não podem ser tecnicamente enquadrados como nepotismo. Pois os casos envolvendo a família Bolsonaro aconteceram antes disso.