Fiscalização interdita consultório odontológico após encontrar mofo nas paredes e cavalo em unidade de saúde em Paulista

Equipamento com vazamento, uso de garrafas PET como recipientes de água e de produtos e acúmulo de mato na área externa foram outras irregularidades encontradas no local, no bairro de Maranguape II.

Paredes de consultório odontológico estão com mofo, em Paulista, no Grande Recife — Foto: CRO-PE/Divulgação
Paredes de consultório odontológico estão com mofo, em Paulista, no Grande Recife — Foto: CRO-PE/Divulgação

Um consultório odontológico que funcionava em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) no bairro de Maranguape II, em Paulista, no Grande Recife, foi interditada pelo Conselho Regional de Odontologia (CRO-PE) na terça-feira (15). Mofo nas paredes do consultório e um cavalo dentro da unidade foram alguns dos problemas encontrados pela equipe de fiscalização.

Os fiscais também encontraram outras irregularidades no local, como uso de garrafas PET como recipientes de água e de produtos e vazamento na cuspideira, equipamento usado pelos pacientes durante o atendimento odontológico.

“É um desrespeito com os profissionais que exercem a sua atividade e também com os pacientes. Também verificamos que não era possível desligar o compressor odontológico de ar, que mantém funcionando a cadeira do paciente e aquele motor usado durante o atendimento, pois o local estava inacessível pela grande quantidade de mato na unidade de saúde”, afirmou o chefe da Fiscalização do CRO-PE, João Godoy.

Cavalo estava dentro de unidade de saúde da prefeitura de Paulista localizada no bairro de Maranguape II — Foto: CRO-PE/Divulgação
Cavalo estava dentro de unidade de saúde da prefeitura de Paulista localizada no bairro de Maranguape II — Foto: CRO-PE/Divulgação

Segundo o Conselho, a situação encontrada no local infringe a conduta ética da odontologia e fere as normas da Agência Nacional de Saúde (ANS). “Não tinha condições nenhuma de continuar o atendimento em Maranguape 2, por isso o consultório foi interditado para que a gestão municipal providencie as melhorias no local”, disse João.

Essa fiscalização vistoriou 20 locais no município desde o início de junho e os problemas encontrados foram documentados em um relatório enviado para a prefeitura de Paulista nesta quarta-feira (16), segundo o CRO-PE.

“Nos outros locais, encontramos problemas pontuais, como goteiras e falta de equipamentos de proteção individual. O mais grave foi esse consultório interditado. Quando a prefeitura informar que foram feitas as melhorias, o Conselho vai enviar uma equipe de fiscalização para verificar se tudo foi solucionado para só aí desinterditar”, declarou.

Resposta da prefeitura

Procurada pelo G1, a prefeitura enviou uma nota sobre a interdição do consultório odontológico. “A Secretaria de Saúde do Paulista declara que a unidade de saúde está funcionando normalmente e que a sala de odontologia já está recebendo as melhorias necessárias para retomar o atendimento à população com o máximo de brevidade possível”, disse.

O prazo para isso acontecer não foi divulgado pela gestão municipal. Ainda no texto, a prefeitura afirmou que “está em tramitação a criação da comissão de licitação, visando atender às demandas de recuperação e melhorias nas unidades de saúde do município que necessitarem de melhorias em suas estruturas”.

Como denunciar

 

De acordo com o CRO-PE, denúncias de irregularidades podem ser feitas no site do Conselho. Outra alternativa é entrar em contato com a entidade através do WhatsApp, no número (81) 98835-1214. Para denunciar, não é preciso se identificar.

Deixe uma resposta